«Agora sinto-me normal, autónoma e segura!» – Enurese noturna

A enurese noturna não orgânica, na criança ou jovem, trata-se de uma disfunção caracterizada por perda anómala e involuntária de urina durante o sono e o seu diagnóstico só deve ser estabelecido após ter sido realizado o despiste para outro tipo de patologia orgânica. Apenas se define como tal se a mesma incluir perdas repetidas de urina, na cama ou na roupa, pelo menos duas vezes por semana, durante três meses consecutivos, em crianças ou jovens com mais de cinco anos.


O caso clínico:

Hipnoterapia no tratamento da enurese noturna

Dra. Rosa Basto apresenta caso raro: Jovem de 16 anos ainda faz xixi na cama


Causas

As causas desta perturbação de eliminação são ainda desconhecidas porém, no que respeita às questões desenvolvimentais, o controlo dos esfíncteres exige maturação fisiológica, uma demora maior do amadurecimento do sistema nervoso no que diz respeito ao controle dos esfíncteres, ou seja, às válvulas que fecham as comportas que não deixam o xixi passar, podem estar na raiz desta perturbação de eliminação. Mas estudos recentes apontam que as causas do insucesso no processo de controlo da urina são a combinação de vários fatores e, deste modo, ao anterior somam-se outros apontados como principais hipóteses a transmissão genética e as causas de natureza psicológica.

Hipnoterapia no tratamento da enurese noturna

Hereditariedade

Estima-se que 75% de crianças com enurese noturna têm pelo menos um familiar em primeiro grau que é ou foi enurético.

Natureza psicológica

Especialistas indicam que a enurese noturna tem maior prevalência em famílias com determinadas características, sendo que ambientes destruturados e desorganizados são os principais indicadores.

Consequências

Consequências do foro psicológico são sem dúvida o risco mais elevado. O jovem tem tendência a isolar-se por receio da convivência social o que é determinante no seu desenvolvimento, isto por sua vez, conduz a estados de baixa de auto-estima, muitas vezes acompanhados por conflitos com os pais e problemas ao nível dos comportamentos na adolescência.

Hipnoterapia no tratamento da enurese noturna

Dra. Rosa Basto mudou a vida de Beatriz


A nossa terapia

O método da Dra. Rosa Basto que tem como uma das principais componentes a Hipnose Clínica e atua em três fundamentos cruciais que estão presentes durante todo o processo, como se de uma realidade tridimensional se tratasse: Permitir, Poder e Relativizar. Ou seja, numa primeira fase o paciente apresenta-se extremamente condicionado a um determinado comportamento, e como desconhece outros, tende a sentir-se sem “escapatória” possível. Psicoeducar o paciente é de extrema importância, para que ele se permita à mudança. Cada uma destas fases são compostas por diversas técnicas suficientemente flexíveis de modo a adaptarem-se à realidade de cada paciente em si. Muito embora o maior foco seja que o paciente se permita abandonar a rigidez e nessa plasticidade adquirida, esteja recetivo a novas estratégias. No caso específico do tratamento da enurese noturna, as técnicas respeitantes a esta fase baseiam-se muito na reprogramação da mente, na boa interligação do processo mental (imaginativo) com o funcionamento orgânico, por exemplo, o treino mental por via de cenários internos específicos que proporcionam ao paciente aprender a controlar o esfíncter.  Quando trabalhamos O Poder em pacientes que apresentam esta perturbação de eliminação, todas as técnicas têm o foco apontado para a auto-estima, o paciente tende a culpabilizar-se o que sabota a sua melhoria e aliás, promove o estado patológico. Uma vez que já se aprendeu sobre a perturbação em si, nesta altura é importantíssimo libertar a culpa pois na verdade não existe e redescobrir junto do paciente todos os recursos que este possui, empoderando-o. Por fim, mas não menos importante, é trabalhado junto do nosso paciente o Relativizar, e este fundamento diz respeito a fatores socio afetivos.

Hipnoterapia no tratamento da enurese noturna

As figuras representativas na vida do paciente conhecem-no se não desde sempre, quase desde sempre, da forma antiga de comportamento, e muitas vezes sem querer e alicerçados pelas suas próprias aprendizagens comportamentais, insistem em quadros emocionais que tendem a despoletar comportamentos antigos. –  É importante salientar que esta situação é muito difícil também para os familiares e que estes são figuras crucias para o sucesso terapêutico. – Por esta razão é fundamental a consistência do tratamento e a prevenção de recaídas, bem como a reprogramação mental para obter respostas diferentes a situações relacionadas a ambientes sociais idênticas às que existiam antes da terapia iniciar. Lembre-se, o paciente mudou mas o resto do mundo não, é por isso que entendemos que a terapia é muito mais que uma via para a resolução de um problema, é o caminho para o desenvolvimento pessoal, uma vez dado esse passo tornamo-nos pessoas diferentes e certamente mais tolerantes com os nossos pares.

Sobre o autor

Dra. Rosa Basto

Licenciada em Psicologia
Hipnoterapeuta
Criadora do método Terapia Diamante®
Presença quinzenalmente na TVI com a rubrica de Hipnose Clínica no programa “A Tarde É Sua”
Palestrante e Formadora nacional/internacional de Hipnose Clínica e PNL e Terapia Diamante®
Rubrica: Hipnoterapeuta dos Portugueses na Revista Zen Energy


Comentários