O amor está em tudo… nos nossos pensamentos, atitudes e olhares

Quanto mistério rodeia o amor! Quanto se escreveu e escreve em seu nome! Ao que parece tudo gira em volta do amor e, contudo, somos pouco preparados para o aplicar nas suas diversas formas de manifestação.


Os seres humanos por vezes esquecem-se da verdadeira essência que o privilegia. De vez em quando aparece um mártir que deixa os seus esforços gravados na história para nos lembrar eternamente desse lindo sentimento… mas, a força das evidências tem mostrado que o amor ou a falta dele está intrinsecamente ligado ao sofrimento. Sofremos por ter amor e o medo de o perder ou sofremos porque tivemos oportunidade de amar e não aproveitámos. Ter amor e deixar de o ter pode realmente trazer grande dor e sofrimento. Mas, quem nunca o experienciou queixa-se de um vazio enorme que da mesma forma também sofre.

Relações amorosas saudáveis

Talvez não exista uma forma ideal ou até uma receita de relacionamentos amorosos perfeitos ou saudáveis, a verdade é que existem pilares fundamentais que são comuns aos casais que se dão muito bem e são felizes com a sua relação. Estas pessoas nada têm mais que as outras, apenas têm a capacidade de saberem viver em comunhão sem perderem a individualidade. Aquilo que verdadeiramente as diferencia é o facto de saberem alimentar a amizade entre o seu par sem perderem de todo a paixão e o romance.

Estas pessoas investem de forma activa e sistematicamente na solidificação da sua amizade. E como o fazem?

  • Investem no conhecimento mútuo;
  • Conhecem e aceitam o seu par;
  • Conseguem identificar as vulnerabilidades do outro e gerem-nas com inteligência emocional;
  • Estão atentos ao presente através das mudanças do seu parceiro amoroso e não olham só para o seu umbigo achando que o outro tem que se anular;
  • Não basta conhecer o percurso do seu parceiro, é preciso saber aquilo de que ele(a) gosta hoje, conhecer as suas preocupações, os seus sonhos;
  • É necessário um diálogo aberto, franco e regular. Estes casais conversam os assuntos de ambos sem se massacrarem mutuamente, havendo um verdadeiro esforço para uma boa união.
  • Estes casais admiram-se mutuamente e expressam de forma aberta e clara essa admiração;
  • Fazem salientar o que cada um tem de melhor;
  • Estão presentes nos melhores e piores momentos;
  • Dão apoio emocional em vez de criticar;
  • Funcionam como uma equipa;
  • Elogiam de forma sincera e regular;
  • Ceder é algo fácil nestes casais.

O amor está em tudo… nos nossos pensamentos, atitudes e olhares

Todos estes pontos confinados num único: RESPEITO.

É certo que nem todas as pessoas são feitas para viver em comunhão. Contudo, é possível que estes relacionamentos existam sem que o casal viva debaixo do mesmo tecto. Todas estas situações são possíveis quando a palavra de ordem é AMOR, apoiando-se no respeito. Acima de tudo é necessária uma competência: abdicar de algumas coisas individuais em prol do bem comum. Quando na relação existe um braço-de-ferro para ver quem é mais forte dá-se lugar à negociação e, para que a relação seja duradoura tem-se consciência que não se pode ‘ganhar’ sempre. Sem nos esquecermos que estes casais normalmente têm um projecto comum, caso contrário a relação anda sem foco fugindo à harmonia e bem-estar. Uma boa relação é consolidada como uma boa ‘empresa’ onde se visa um único lucro: o bem-estar do casal.

Sobre o autor

Dra. Rosa Basto

Licenciada em Psicologia
Hipnoterapeuta
Criadora do método Terapia Diamante®
Presença quinzenalmente na TVI com a rubrica “Curar com a Hipnoterapia” no programa A Tarde É Sua
Palestrante e Formadora nacional/internacional de Hipnose Clínica e PNL e Terapia Diamante®
Rubrica: Hipnoterapeuta dos Portugueses na Revista Zen Energy


Comentários

Share this post